Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

olhos que lêem

vou deixar-te acreditar que decifraste o meu olhar, com a certeza que de mim não sabes mais nada.

o mais antigo imposto à inteligência

17.02.21 | olhosqueleem

mundo ao contrário.jpg

O cansaço de todas as ilusões e de tudo que há nas ilusões - a perda delas, a inutilidade de as ter, o ante-cansaço de ter que as ter para perdê-las, a mágoa de as ter tido, a tristeza intelectual de as ter tido sabendo que teriam tal fim. A consciência da inconsciência da vida é o mais antigo imposto à inteligência.

(Bernardo Soares)

este é um tempo velho, doente...

16.02.21 | olhosqueleem

flores amarelas.jpg

 

Contemplar a natureza no fim de inverno continua a ser sempre desejo ardente de primavera, dessa que entra pelo mar dentro como flores amarelas ou rio na sua foz.

Num tempo crepuscular e triste como este, só a evasão na Natureza (repito) nos salva e vem como as palavras de quem estimamos ou reaprendemos a estimar.
 
Este tempo, por mais voltas que lhe tentemos trocar, continua a estar cheio de medos, frustrações, desilusões e lugares comuns. O final de dias de palavras sem toques, abraços ou beijos, mas com sentimento, verdade, conhecimento, razão, num ambiente de beleza, pode, acabar, num instante posterior, quando de um outro lugar é de outras gentes, chega, numa única frase, o que nos faz gelar por dentro. O lugar comum. Esse que destrói a ilusão da clareza com que se devem tecer relações de amizade.
 
Decidamente este é um tempo velho, doente, como as frases batidas que definem os seres em corpos novos e velhos, colocando almas em prateleiras de usos vários consoante os interesses.
 

o pássaro

12.02.21 | olhosqueleem

pássaro.jpg

Uma imagem vale mais que mil palavras.

Parece querer entrar. Sente falta de alguém que lhe dê um miminho...  há tanta gente com falta de afectos, mimos, de uma palavra amiga. Há tanta gente a atravessar sozinha os desertos da vida. Gente que sofre calada a sua dor...