Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

olhos que lêem

vou deixar-te acreditar que decifraste o meu olhar, com a certeza que de mim não sabes mais nada.

volto sempre àquele blog

18.08.21 | olhosqueleem

miracle.jpg

 

O mundo dos blogs tem isto de bom. Inesperadamente, esbarramos com textos, imagens, palavras que alguém desenhou e que parecem escritas para nós, por nós.

Porque o autor daquele blog nos fez parar para pensar, nos apresentou as coisas num outro espelho, fez com que descobríssemos uma outra face da mesma vida, a vida que todos respiramos, afinal de contas. Uma música. Um poema. E ali está, sob o nosso olhar desprevenido, a emoção que nos fazia falta, a palavra que aquieta, que apazigua as inquietudes, que queríamos dizer e não sabíamos bem como... Voltamos. Voltamos sempre àquele blog que nos faz companhia, cujo autor nos parece até conhecermos, como um amigo distante que nos faz falta e do qual queremos saber os passos no rumo que já descobrimos...

Passo muitas vezes em silêncio, só porque sim, só porque gosto dos autores. Sem os conhecer tento adivinhar as suas sensibilidades e emoções. Pressinto-lhes a tristeza ou alegria dos seus textos, sorrio ou não raras vezes me entristeço com os momentos de escrita mais doídos...
E volto, porque adoro a sua escrita, porque imagino que atrás das palavras de quem escreve há gente de alma bonita, no verdadeiro sentido da palavra.
 

o pequeno príncipe

10.08.21 | olhosqueleem

exupery.jpg

Publicado em 1943, “O Pequeno Príncipe”, de Antoine de Saint-Exupéry, é uma das obras mais traduzidas da literatura mundial.
Por meio de uma narrativa poética, o livro busca apresentar uma visão diferente de mundo, levando o leitor a mergulhar no próprio inconsciente.
A história se inicia quando um aviador cai com seu avião no Deserto do Saara e ali encontra uma criança, que ele descreve como tendo cabelos de ouro e um cachecol amarelo.
O garoto conta ao aviador que vive sozinho no Asteroide B-612, tendo como única amiga uma rosa. Juntos, os dois repensam os seus valores e redescobrem o sentido da vida.
 
A escolha do Deserto do Sahara pelo Antoine de Saint-Exupery está ligada às rotas Aeropostale que ele conjuntamente com o seu amigo, igualmente piloto, Jean Mermoz, asseguravam a partir de Marrocos (onde existe um monumento em sua honra) e de St. Louis (antiga capital da África Ocidental Francesa, primeira capital do Senegal) onde existem actualmente diversas referências ao serviço aéropostale e a Jean Mermoz como sejam um museu, hotéis, restaurantes. Refiro que St. Louis du Senegal é uma pequena ilha que se encontra na Foz do Rio Senegal, em pleno Sahel, zona de fronteira entre o Deserto do Saara e as zonas de savana mais Sul.