Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

olhos que lêem

vou deixar-te acreditar que decifraste o meu olhar, com a certeza que de mim não sabes mais nada.

a palidez do tempo

05.07.21 | olhosqueleem

image.jpeg

Creio poder escrever que todos procuramos um lugar a que possamos chamar de "nosso", porque precisamos ser pertença de um sítio, de um canto a que se dê um nome. Um lugar que nos possa devolver a paz, talvez um estado de espírito, na busca incessante de colorir com pinceladas desajeitadas a palidez do tempo.

Uma forma de existir com clareza e sem equívocos, espaço escolhido na lucidez dos sentidos, onde a luz e o optimismo nos fazem acreditar que estamos no rumo seguro. Beber água que brota da fonte, saciar-me de vento, sentir que aqui é o meu lugar (o meu refúgio).

Foi o que senti este fim de semana quando regressei passados muitos meses ao lugar que me viu nascer, à casa vazia de pessoas, mas cheia de memórias doces.  Não vim para ficar, porque a vida não me permite, mas vim para assinalar uma data,...

Há dias em que as lágrimas da saudade teimam em cair...Saudades de ti minha querida Mãe.Saudades de ti meu amado Pai.  Descansem em paz, entre a luz brilhante da noite.  O tempo é um breve sopro para quem vive na eternidade do céu.

E sim, encontrei o meu lugar. Pertenço aqui. Sempre pertenci.

Sertã, 4 de Julho de 2021

 

 

12 comentários

Comentar post