Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

olhos que lêem

vou deixar-te acreditar que decifraste o meu olhar, com a certeza que de mim não sabes mais nada.

não amar é a própria infelicidade

06.01.22 | olhosqueleem

Albert Camus.jpg

Albert Camus
(7 de novembro de 1913 - 4 de janeiro de 1960)
 
E no meio de um inverno eu finalmente aprendi que havia dentro de mim um verão invencível.
A frase deste escritor, que me marcou, entre muitas que retenho na minha memória : " Não ser amado é falta de sorte, mas não amar é a própria infelicidade. "
Quem me acompanha, minimamente sabe que criei fez agora 4 anos uma empresa de apoio domiciliário de prestação de cuidados a idosos...são dias de muita ansiedade, passados em hospitais, consultas, sobressaltos...plenos de histórias narradas pelos mesmos, pelos que ainda possuem a lucidez dos sentidos...outros infelizmente têm doenças degenerativas... alzheimer, demência, parkinson, distúrbios mentais, etc...
Trabalho portanto com uma franja da sociedade abandonada pelas famílias, pessoas que ninguém quer...mas que eu amo.
Contudo, tenho vindo a constatar muita amargura nestas pessoas, pessoas que não foram amadas nem conseguiram amar...pessoas infelizes, revoltadas...e que agora aos 80...90...e muitos anos percebem essa realidade.
Foi a razão de ir buscar Camus para o meu texto.
 
Feliz dia de Reis com os raios de sol a brilhar como estrelas guia nas nossas vidas. 
 
 

3 comentários

  • Imagem de perfil

    olhosqueleem

    06.01.22

    Meu querido amigo,
    Li com ternura e carinho cada uma das suas palavras.
    A jovem deste lado, já tem 46 anos , mas todos os dias aprendo.

    "Tenho 81 anos. e sinto-me amado e acarinhado por todos aqueles a quem dei vida, criei e eduquei."
    Frase bonita e sentida. É bom amar e sentir-se amado.

    Hoje falamos muito das relações pessoais, dos casamentos falhados, mas há uns anos atrás houve uma faixa da média, alta sociedade que viveu...uma vida em que apenas colheu...ao acaso. Entre casamentos de conveniência, cada um vivia como queria...eu devia escrever um livro sobre as histórias que os meus idosos me contam e fariam corar muita gente...
    Os (as) amantes já partiram ou estão na mesma situação... diz-se que cada um colhe o que semeia e isto é rigorosamente verdade.
    Se anos e anos ignoraram a família hoje recebem a mesma moeda de troca. Alguns mostram-me fotos antigas de um familiar, mas se ele(a) os for visitar não o conhecem...não se veem há mais de 20 anos.
    Tiveram na sua maioria a sorte de ficarem bem financeiramente por meios pouco lícitos.
    Mas à medida que a idade avançou, o telefone deixou de tocar, as festas e bailes terminaram...e de repente viram-se sozinhos votados ao abandono ( que eles próprios criaram).
    E muitos dos que hoje cuido são essa franja da sociedade que recebeu, mas nunca deu...que diz que amou e foi amada por cada um(a) que passou na sua vida! Estranho amor.

    Vou apenas referir um exemplo de esperteza e de como se enganavam os tolos... a senhora de que falo tem hoje 97 anos, foi casada mas nunca teve uma vida conjugal com um alto quadro da Bayer. Saiam os dois para festas e jantares, mas a vida perfeita era de fachada.
    Ele faleceu cedo.
    Ela teve os seus amantes.. Um deles um alto quadro do Estado a quem ela pediu um fato que estava na loja "y" e custava 70 contos, ela disse-lhe que custava 120 contos (hoje 600 E) ele ia buscar à loja e no dia seguinte ela ia buscar a diferença dos 70 contos preço real para os 120 que ele tinha pago..
    Ou seja além de um fato novo ela ainda lucrava 50 contos em dinheiro vivo (hoje 250E )... espero não me ter enganado entre a moeda antiga e o euro.
    Esta história é verídica.
    Que nome lhe quer dar? Nem eu sei...mas havia mulheres que tinham esquemas tão bem elaborados que fariam corar os que hoje se julgam "espertos".
    Foi bom ter o seu testemunho querido Corvo.
    Deixei-lhe outros para perceber que em todos os tempos a vida nunca foi igual... não é apenas hoje que a sociedade está toda errada, como dizem...
    Feliz dia de Reis. Feliz Ano 2022 com saúde e o amor dos que o rodeiam.

    Um forte abraço.
    Ana


  • Imagem de perfil

    Corvo

    07.01.22

    Boa tarde, jovem senhora de 46 anos. Confesso que julgava menos, mas 46 anos não sendo propriamente uma rapariguinha muito menos se pode considerar uma anciã. Li atentamente o que fez o favor de responder e talvez porque já vi e vivi alguma coisa, não me surpreendeu. interesse e oportunismo sempre houve em toda a história da humanidade.
    No caso primeiro da velhice desamparada, mantenho que exceptuando casos excepcionais, essas pessoas colhem o que semearam. Alguns até, bastantes,l mesmo agora no ocaso das suas existências, conservam a mesma prepotência e despotismo de antes em que só o eu próprio prevalecia sobre os demais. Vejo velhos exigentes passando por cima dos problemas dos filhos, exigindo para eles aquilo que pertence por direito aos netos. Para esses velhos, tudo quanto de um filho possam receber, ( sabe Deus com que sacrifício desse) é pouco ou nada. Não conta os compromissos deles, a casa para pagar, os filhos para criar e educar, as contas ao fim do mês, a precariedade do emprego, alguns até desempregados, nada conta. Agarram-se à vida como se pensassem que devem ter de cá ficar para semente. Para esses velhos só tenho uma coisa a dizer: morram e deixem respirar os vossos filhos libertando-os da vossa prepotência que a vida está bem difícil para eles.
    Morram que o coveiro também tem filhos para criar.
    Arrumado este assunto, passemos ao seguinte de igual ou parecido teor, amor X interesse. Comecemos pelas uniões de fachada. Tenho para mim que ontem, hoje e como certamente amanhã será, não importa sê-lo, o importante é parecê-lo. Seguidamente avancemos para a senhora do fato de 120 contos que afinal eram 70 contos, e o meu parecer é este: desde os primórdios que de esperteza e tolos vive o mundo.
    Penso que ela nunca lhe terá dito, (ao( amante) amo-te um pouco por ti e muito por mim, nem a isso era obrigada. Ele que visse se quisesse, ora essa.
    E não a aborreço mais porque já me alonguei por de mais.
    Foi um prazer conhecê-la.
    Desejo-lhe muita saúde, paz e harmonia na sua vida.
    excelente fim-de-semana.

  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.